26/06/16

Eu fui



Pensei até em te abandonar no meio do caminho, e te dizer que seguiria meu rumo sozinho. Lembrei de tudo o que vivemos e a gratidão apareceu, pelos dias bons e pelos momentos ruins que você me ajudou como podia e não como eu esperava.

Tudo estava tão confuso, não sabia se ia ou se ficava, se te esperava chegar ou te deixava me ver partir. A dor estava presente o tempo todo, não era nada novo, era tudo de novo sempre. Tornava - se tão comovente toda aquela situação de implorar amor.

Criei coragem e parti.
Não olhei pra trás, apenas peguei minhas malas e sorri. Ficar não tinha futuro, até porque ele estava me esperando lá na frente.

23/06/16

Desbloqueie - se



Preciso ficar quietinha curtindo os movimentos ao meu redor, se tiver com fones nos ouvidos, tocando músicas inspiradoras, que nunca sei ao certo quais são, mas que escuto quase todos os dias é melhor ainda. 

Uma combinação perfeita que nem sempre é a mesma, talvez dependa do meu humor, do dia e do que está acontecendo interna e externamente, porque me afetam de alguma maneira, causando o bloqueio criativo. Ou seja, não consigo escrever sobre nada, parece que nunca fiz e também que nunca mais vou fazer, é agoniante, escrever é algo que faz parte do meu ser, do meu cotidiano e quando não faço, falta alguma coisa.

Quando estou ao ar livre, em um dia ensolarado, com o céu azul e sem nuvens, procuro ficar no sol, nunca na sombra, me sinto melhor, mais revigorada e com energias renovadas para continuar a encarar o dia, a vida e conseguir voltar a escrever.

Me sinto como se fosse o baú que os personagens da Caverna do Dragão arrastam pra cima e pra baixo, tentando achar um local que seja o certo para voltar pra casa. Com inúmeras tentativas frustradas, eles não desistem de voltar pra casa, tentam e tentam, até conseguirem. Me encaixo nisso.

Deixar fluir o que tem dentro de você, sem preguiça é a melhor escolha que você tem a fazer na vida, pra vida, pela vida. Quantas ideias maravilhosas você tem e nunca coloca em prática? Pois é. Tá na hora disso acabar. Com medo, com preguiça, seja lá o que for, tá na hora de levantar e mexer - se para que as coisas fluam corretamente, na verdade, do jeito que quer. 

Deste modo concluímos que nada na vida cai do céu além da chuva. Que sua mãe não pode fazer com que as coisas sejam do jeito que você quer. Que mesmo casada/namorando, cada um tem a sua vida. (que isso não tem nada a ver com o que eu falei) Que gosto de escrever coisas sem nexo, mas que fazem todo sentido no final da reflexão. Que eu gosto de escrever e nunca vou parar com isso.

Se você quiser um conselho, falar comigo e me amar mais, mande um e-mail com amor pra mim: naatyyzinha@hotmail.com e me segue nas redes sociais que tão ali do lado.

Vamos nos amar mais.
Mais amor próprio.

20/06/16

Nem tudo são flores



Hoje não é um daqueles dias que quero falar sobre nós, só estou afim de abrir a porta e sair, caminhar sem rumo no meio do verde, como se não houvesse amanhã e o sol não fosse embora, me abandonando também como todas as outras pessoas que chegam e se vão sem despedidas. 

Quem é que gosta de despedidas? Eu não gosto. 
Na verdade prefiro que nem cheguem se preferem partir. 

Acordei pensando no que já fomos um dia, quase que um só. Falando igual e curtindo as mesmas coisas, conversando todos os dias por horas, como se não tivéssemos mais nada pra fazer. Percebi que não são só as estações que mudam, você também mudou. Não que eu não tenha mudado, mudei sim, admito, mas não contigo. 

As relações são como rosas, que plantamos, regamos, cuidamos e protegemos para que nada aconteça e continuem sempre lá, lindas e vivas, nos deixando feliz a cada visita. Cuidamos tanto, depositamos tanto amor, dedicação e tempo, mas no final sabemos que quando nascer o primeiro espinho, não iremos receber mais tanto carinho. Se é que vocês me entendem. 

(quem acompanha talvez entenda)

Dessa vez o não carinho foi mútuo. 
Plantei, cuidei e reguei demais, tanto que coloquei em uma redoma de vidro, não tinha ar, não tinha claridade, Não me culpo. Não te culpo. Os interesses não são mais os mesmos, lamento, mas acho que daqui pra frente seguiremos sós, como deveria ter sido sempre, sem vínculos, sem decepções.

18/06/16

Pare de praticar: vácuos



Conversar com quem não te entende é a mesma coisa que falar com uma parede, falar em grego com um japonês. Ninguém tem a obrigação de gostar dos mesmos assuntos que você, que eu, que nós, mas o mínimo que deveria ser feito era criar um interesse sobre aquilo ou parar de olhar com cara de paisagem, melhor ainda, parar de deixar no vácuo. 

Esse fato chato e indignante acontece diariamente, seja nas redes sociais ou pessoalmente, parece que você é uma aba do Chrome que a pessoa não está mais afim de ver e quer fechar, porém ninguém carrega um x pendurado na cabeça para ser fechado quando ninguém mais quiser usufruir de sua presença e conversa. 

Isso não está certo!
Temos que estar prontos a ouvir os assuntos alheios com os temas mais variados do universo, além de estar disposto a ouvir, tem que interagir, comentar, rir e sorrir sobre, mas quando chega a nossa vez de lançar o nosso tema na roda, as pessoas fingem que não tem ninguém ali e ficamos como? No vácuo, em um looping eterno. 

As pessoas nas quais convivemos diariamente, deveriam ter um pingo de educação, de saber conduzir uma conversa quando não entendem nada sobre moda, vlogs, blogs, snapchat, programas de moda e cabelos crespos. Digo e repito: ninguém é obrigado a saber tudo, principalmente dos assuntos que mais gostamos, mas educação é obrigado a ter sim. 

Quando seu coleguinha te ignorar, ficar com cara de paisagem na hora que você estiver falando super empolgado de algo que ele goste muito, lembre do dia que fizeram isso contigo também. Coloque - se na pele do outro que passa por isso e pare de fazer. 
Criado por: Mariely Abreu | Todos os direitos reservados ©. voltar ao topo