24/09/16

Poeminha de setembro

weheartit


























Respira fundo e segue o teu rumo.
Mostra para o que tu veio.
Não fica com medo de mostrar todos os teus medos.
Você é de carne e osso, pra quê o desespero?

Sem berros não enfrentamos o que nos incomoda
Sem regras e imposições a vida seria tão mais legal
Você iria sorrir de janeiro a janeiro sem lágrimas nos olhos em nenhum momento

Não fique desatento, esse é o melhor momento pra ti
Levanta, lava o rosto e vai ver o que está guardado logo ali
Sem exageros, só o suficiente

Acalma a tua alma
Aquieta a tua mente
Porque dias melhores estão por vir.

23/09/16

Nossa (re)apresentação













Oi!
Eu vim aqui para me apresentar pra vocês. 

Estive por um tempo perdida, talvez adormecida nos dedos de quem me escreveu por tanto tempo, exatamente 2920 dias. Queríamos agradar todo mundo, sendo que todo mundo não nos agradava da mesma maneira, era uma via de mão dupla onde só íamos e ninguém retornava. 

Procuramos muitas roupas diferentes para que quem nos visitasse amasse e sempre voltasse, porém foi na época mais simples, onde tinha mais sentimento do que tudo aqui que todos apareciam. Diferente de quando usamos roupas populares e que todos aparentemente iriam gostar. Até falamos sobre assuntos "legais" que todos falam, mas é disso o que realmente queremos falar?

O que realmente nos agrada é digitar cada palavra que compõe as inúmeras linhas desses mais de 700 textos com muita sinceridade, verdade e amor. Externalizar o que sentimos pra vocês é tão maravilhoso quanto compartilhar o que gostamos, isso tudo faz parte de nós, um completa o outro, tanto quanto posts com comentários e reconhecimento. 
Não somos movidos apenas pelos números que tendem a crescer e sim por cada pessoa que disponibiliza 5 minutos do seu tempo para ler e comentar, compartilhar ou apenas favoritar para ler depois. 

O reconhecimento e a identificação de cada um é o mais importante para quem escreve, o público real.

Ontem pensamos e resolvemos nos vestir como em meados de 2009, mais ou menos, tudo branco, tudo bem claro e simples, como sempre gostamos e nos demos tão bem. E acho que dessa vez não vai ser diferente. Então agora, se junta com a gente e passeia por aqui, nos leva junto contigo também.

20/09/16

Filha sem mãe

imagem: weheartit


Cresceu abandonada pela mãe, criada pela vó até seus 10 anos, vivia na rua, com roupas que não condiziam com a sua idade, um convite para os tarados de plantão. Até que um dia sua vó cansou de lhe cuidar, achava um desaforo ela tendo um pai ter que ficar com a neta. 

Tinha um pai e uma madrasta que dizia gostar dela, mas no fundo todos sabiam que na verdade não gostava, apenas suportava por causa do marido. A enteada é negra, tem cabelo crespo e um comportamento parecido com o da mãe, o de roubar. 

O psicológico dela está abalado, primeiro rejeitada pela mãe ao nascer e depois pela avó, indiretamente no meio disso também pelo pai, porque ele preferiu manter seu casamento intacto não levando - a para morar com eles desde o inicio. 

Ela não tem culpa de nada, só quer carinho e atenção. Não quer ser explorada pela madrasta que a cria por obrigação, que acha que tem ensinar a passar pano no chão, limpar a merda do cachorro e detesta pentear seus cabelos. Ela é apenas uma criança, só quer um abraço mesmo que seja de uma pessoa desconhecida, carente ela precisa conversar, contar como foi seu dia ao invés de ser repreendida o tempo todo aprisionada numa casa que não é sua e dormindo em um sofá que não é seu. 

A madrasta deveria saber que com um histórico tão conturbado igual ao do pai se não sobrasse nada pra ela algo deveria estar errado, porque ele nunca foi perfeito e nunca será. E se ela continuar a podar todas as vontades da enteada algo mais pra ela vai sobrar, não adianta dizer que eu não avisei.