11/08/2018

Diga tudo o que você sente todos os dias

Ilustração: Mariana Souza - Mari Ilustra

Não tenha vergonha de colocar pra fora tudo o que está sentindo, mesmo que seja ruim, escreva, fale, grave, ache a forma mais confortável pra expressar tudo, não fique guardando por medo de represália ou por não ser retribuída da mesma maneira. A única coisa que eu posso te falar é que a sensação de desabafar, de colocar pra fora é maravilhosa.

Se você gosta de alguém e não tem coragem de falar, então demonstre ou ache outras formas da pessoa saber. No começo é difícil de lidar com a situação, ainda mais porque o turbilhão de pensamentos não ajuda muito também. Porém se você não fizer, nunca vai saber se a pessoa gosta de você também e talvez esteja com os meus medos e receios de se declarar.

E se você está numa situação que não está gostando, não está tão favorável pra você quanto deveria, então é a hora de listar os prós e contras pra mudar a realidade e ser feliz com o que merece de verdade. Não somos obrigadas a fazer coisas que não gostamos por causa de terceiros e muito menos permanecer no mesmo lugar insatisfeitas. 

E agora a parte mais importante que é a quando você chega no final do dia e pensa em todos os sentimentos que teve durante na sua rotina e estabelece uma forma de não deixar que as coisas externas te afetem, diminuindo as coisas boas que vem de dentro de você. 

Apenas continue emanando coisas boas para que as mesmas coisas ou melhores voltem pra você deixando a sua rotina melhor e mais agradável do que já é normalmente. Não podemos deixar que os sentimentos ruins tomem conta de nós, só coisas e energias boas podem fazer parte da nossa rotina. 

Olhe - se no espelho, escreva, faça da forma que for melhor pra você, mas diga todos os dias o que sente, tanto as coisas boas e ruins, faça coisas para melhorar o seu dia, com toda certeza isso vai te ajudar e muito. 

10/08/2018

Minha felicidade diária



Os olhos pequenos me fizeram enxergar além do que eu conseguia, me fizeram entender que o poder de conquistar está nas minhas mãos, afinal tenho potencial pra isso, palavras ditas por ti. E de tantas palavras, cada combinação feita pra completar as frases que me dizia desde o começo me dava um up, me deixava mais animada, o apoio estava vindo de onde eu menos esperava.

E pra falar bem a verdade, não estava esperando nada, não criei expectativas, a gente só conversava todos os dias, desde a hora de acordar até a hora de dormir, era uma rotina que já fazia parte do meu cotidiano, logo eu que odeio rotina, não me via mais sem essa, que contradição. 

Te olhar dentro dos olhos, prestar atenção no que tu me diz mesmo eu não entendendo e tu me explicando trocentas vezes, segurar na tua mão e ao encaixar me sentir a pessoa mais segura. Te abraçar, automaticamente fechar os olhos, sentir meu peito ser preenchido, meu coração ficar quentinho, ter a sensação de que fui parar em outro lugar, como se só tivesse eu e tu no universo. 

É tudo tão especial, que chega a ser surreal de tão gostoso. A cada dia que passa fico mais feliz, porque escuto alguma coisa diferente, sempre acho que já ouvi tudo, mas sempre tem algo a mais pra me surpreender. 

Continuo sem criar expectativas, vivendo um dia de cada vez, prestando atenção em cada palavra, sentindo e absorvendo uma certeza diferente todos os dias, e desse jeito continuo feliz todos os dias, desejando que seja pra sempre, mesmo que a gente saiba que o pra sempre, sempre acaba.

09/08/2018

Cadê meu GPS?


Todos os dias eu acordo e tenho a mesma sensação de que não era pra eu estar ali e se fosse pra eu continuar ali que seja apenas dormindo pro tempo passar logo, só não sei pra quê que eu quero que ele passe logo, porque no fundo, mas bem no fundo acho que essa sensação não vai passar tão cedo. 

Posso estar sendo ingrata mesmo agradecendo pra Deus todos os dias tudo o que eu tenho e todas as coisas que ele me ajuda a conquistar, o fato de acordar todos os dias e ter alimento já são grandes coisas pra mim. Porém acho que a minha mente, meu corpo, meu eu chegaram no limite nesses dois últimos anos. 

Fiquei tão sobrecarregada fazendo coisas que não eram só pra mim e que eu poderia ter feito de uma maneira diferente, quem sabe sendo um pouco mais egoísta e tendo amor próprio que hoje não me sentir assim, dessa forma, vazia. 



Escrever pra mim sempre foi uma forma de aliviar tudo o que eu estou sentindo sem que ninguém venha me julgar, como quando falamos pras pessoas ao nosso redor e a única coisa que elas sabem fazer é palpitar e nos julgar o máximo que conseguem. E isso nunca foi o que eu gostei de escutar, mesmo eu fazendo por elas o que elas não faziam por mim, nunca teve empatia. 

Ah, e amor próprio só estou aprendendo agora com vinte seis anos de idade, antes tarde do que nunca, né?! É um processo demorado, trabalhoso, tenho que ler bastante sobre e ver vídeos de pessoas que já conheceram antes de mim, se conselho fosse bom a gente vendia, mas procurem o amor próprio de vocês todos os dias pra não ficarem perdidas a mercê da vontade alheia.

Agora estou aqui sentada, mexendo no tumblr, tentando trabalhar, com os olhos cheios de lágrimas, mas a sensação que eu tenho é que meus olhos são como aquários que a água fica toda presa lá dentro e não sai nada, e quando sai é de soluçar. 

Talvez se eu tivesse asas, se eu pudesse voar, se as coisas tivessem sido diferentes há dois/oito/dezenove anos atrás, não sei o que poderia ter acontecido e quem me tornaria hoje. A única coisa que eu sei é que preciso me encontrar, reencontrar, descobrir onde estou, pra onde vou, se vou pra ficar, se vou pra voltar, se morrerei no mesmo lugar. 

Um milhão de pensamentos me perturbam diariamente, faço as coisas por fazer, estou por estar, não há algo que me motive realmente a continuar, não sinto prazer em fazer mais nada além de escrever, escuto as mesmas músicas todos os dias, algumas várias vezes no mesmo dia. E no final de cada dia sempre tem um nó na minha garganta que aperta e me dá um pouco de falta de ar. Quem sabe um dia isso passa e se não passar, eu passo...!

03/08/2018

A convivência que a gente não aguenta mais


Quando nós nascemos e nos demos conta de quem é quem que está ao nosso redor, não temos o poder de escolha ainda por causa da nossa idade pra determinar com quem queremos ou não queremos morar. Com o passar dos anos vamos nos adaptando e antes disso aprendendo a lidar com as pessoas e a obedecer as regras, afinal existe uma hierarquia dentro dessa casa.

Porém, vamos pra escola, conhecemos outras pessoas com outros formatos de família e ficamos nos perguntando porque a nossa é diferente ou porque não temos uma igual, será que a família do outro é mais legal? É aquele velho ditado né: a grama do vizinho é mais verde que a nossa, mas eu continuo achando que é artificial e nada é perfeito.

Crescemos mais um pouco, vamos pro mercado de trabalho, começamos a ter um poder aquisitivo maior, até porque antes tínhamos zero, se tivermos um, já é maior. Continuando! E nisso passamos a perceber outras possibilidades de convivência que é a de conviver apenas com nós mesmos, nossas coisas e nossa paz. 

Não posso generalizar dizendo que é ruim de morar com as pessoas que moramos desde que nascemos, ou que morar com outras pessoas é ruim, só posso falar sobre o que eu vivo ou já vivi, ou seja, ter propriedade pra falar sobre isso. 

Chega uma fase da nossa vida, uma certa idade ou até antes, que queremos fazer as coisas na hora que sentimos vontade, escolher o que queremos comer, comprar o que queremos, modificar as coisas no nosso espaço, porém esse espaço fica pequeno demais, que é nosso quarto e queremos deixar a nossa marca por toda a casa, mas não podemos.

Então foi dada a largada pra multiplicar esse poder aquisitivo pra conquistar o tão sonhado lar doce lar, pra pintar as paredes de azul, escutar a música bem alta e lavar a louça quando quiser. Basicamente todo mundo que pensa vou morar sozinha acha que é só isso, tem isso, mas também tem vários boletos pra pagar e precauções a tomar antes de fazer o contrato com a paz, tranquilidade e sossego. 

Por ora é isso aí, em uma parte da nossa vida não podemos escolher, mas quando aprendemos que podemos sim escolher as coisas que queremos, pensar um pouco mais em nós (pode-se ler: egoísmo mesmo) e que tá tudo bem se afastar um pouquinho das pessoas por um tempo, acontece uma transformação maravilhosa que até quer(o)emos sair correndo. 

Vamos aguardar o tempo, porque nada é da noite pro dia, precisa de planejamento e orçamento, mas poderia. 

30/07/2018

no teu abraço é o meu aconchego

Te olhar tão de perto e conseguir sentir todos os sentimentos sem nem mesmo precisar falar uma palavra pra saber o que acontece é a melhor coisa que me aconteceu até hoje. Mesmo que tu me diga que não é preciso lembrar de antes e só viver daqui pra frente, porque é o que tu importa, tu não me diz assim, mas é assim que eu entendo. 

Te vi de longe, sorri por dentro com o coração, ele ficou quentinho, sorri por fora e meus olhos ficaram que nem os dos emojis do whatsapp, tanto o de estrelas quanto o de corações, veio o frio na barriga e o coração acelerado. Não era esperado esse mix de sentimentos, mas aconteceu e acho que são esses os melhores sentimentos que alguém pode sentir quando encontra alguém. 

Te leio todos os dias, o que eu mais desejo é a tua companhia, o tempo todo, noite e dia, porque do teu lado descobri o meu melhor, que sou capaz de fazer as coisas mesmo não acreditando tu me faz acreditar a cada linha que escreve, a cada palavra dita e a cada olhar que vai além do que qualquer outra pessoa consegue ver. 

Segurar na tua mão me preenche de uma maneira que eu não sei explicar, nossos dedos se encaixaram desde o primeiro momento. O nosso abraço se encaixou como se tivéssemos nos abraçado um milhão de vezes antes, de tão gostoso que é fechei os olhos automaticamente, saí de mim e fui parar em um universo paralelo só de amor, carinho, tranquilidade e paz. Quando abri os olhos parecia ter passado tanto tempo e ao mesmo tempo foram apenas segundos, quero essa sensação pra sempre. 

De todas as linhas que escrevi até aqui, tu já leu, tu já sabe, já conhece. E por mais que eu me declare outra vez, nunca vai ser igual, vai ser sempre diferente e a cada dia que passe, vai ser sempre acrescentada uma linha diferente e mais feliz sobre nós, porque o meu amor é teu. 

15/07/2018

Como o derrotismo me atrapalha todos os dias

Rawpixel


Ele tá aqui presente até pra começar esse texto sobre ele mesmo, é chato isso que acontece há um certo tempo, desde que querer ser dona do meu próprio nariz com a ajuda do blog se tornou o meu foco principal. Sinto que a cada 10 ideias boas, 11 são ruins demais para serem colocadas em prática e acaba que nada é feito.

A impressão que eu tenho é de que na hora que as ideias surgem na minha cabeça elas são ótimas, perfeitas, escrevo tudo nos mínimos detalhes até como vou dispor as imagens e quais as imagens, quantas linhas cada parágrafo vai ter e o que irei sublinhar/colocar em negrito, tudo bem explicado nos mínimos detalhes.

Por causa de um pequeno grande detalhe as coisas não acontecem, tudo para, eu paro, minha mente trava, meus dedos nem encostam no teclado e eu fico me comparando com tantos outros blogueiros e blogueiras que acompanho nessa blogosfera tão grande, achando que toda e qualquer coisa que eu produza vai ser muito ruim, mas tão ruim de que ninguém vai querer ler.

Apesar de todo esse pensamento negativo, se analisarmos juntos todos os comentários nesses mais de 700 textos já publicados sobre inúmeros assuntos, a maioria das pessoas dizem que gostam do que eu escrevo, que se identificam e que não posso parar de escrever, porque é muito bom e mais pessoas tem que ler o que escrevo.

Chega a ser tudo tão contraditório, porque ao ler os comentários e ouvir a opinião de pessoas que me conhecem pessoalmente sobre o que eu mais gosto de fazer, que é escrever, sinto vontade de escrever loucamente sem parar sem ter fim e espalhar meus textos por aí, nos muros das avenidas mais movimentadas da cidade.

Sabe o que me falta pra tudo isso acontecer? 
Isso mesmo, coragem pra abrir o editor de texto do blogger e escrever sobre o que eu quiser sem medo da opinião alheia negativa, apenas levar em conta as construtivas. Ter consciência da minha capacidade de criação, aproveitar os momentos em que a minha criatividade está em alta e colocar todas as minhas ideias em prática e investir no que tiver mais sucesso. 

E não posso me esquecer de deixar o derrotismo pra lá, não permitir que ele interrompa a minha vida, meus sonhos e as oportunidades de ser feliz fazendo o que eu gosto o tempo inteiro.

Quero saber de ti: 
O derrotismo já te atrapalhou alguma vez? Como você lida com isso?

09/07/2018

Conte para si mesmo os seus sonhos

ACERVO PESSOAL DA IANCA

Hoje eu tô aqui pra te dar um conselho, sei que se conselho fosse bom a gente não dava, a gente vendia, mas são essas e mais outras coisas da vida que quero passar pra frente, principalmente as que me fazem e me deixam bem de alguma maneira. Sei que talvez possa parecer besteira, mas continue mantendo tudo em segredo, não conte pra ninguém, nem em quem tu confia, conte pra si mesma todos os dias, o tempo inteiro. E se nada disso for suficiente, escreva num papel, rabisque palavras aleatórias até a ansiedade de contar pra alguém passar, com o tempo você vai se conscientizar de que contar pra alguém não vai fazer com que aconteça mais rápido do que o tempo que você sabe que vai levar. 

E durante todo esse tempo, que você vai vendo tudo se realizando aos pouquinhos, cada fruto que você plantou crescendo numa árvore linda de viver, vai ver que valeu a pena cada palavra rabiscada no papel e guardada dentro da boca. 

Pode até ser superstição demais, tem pessoas que não concordam com esse tipo de atitude e que classificam egoísmo extremo, mas temos que fazer o que é melhor pra nós e seguir com as coisas que acreditamos para que nossos sonhos virem realidade o mais rápido possível, não esquecendo que nossos acontecem na proporção que trabalhamos para que eles aconteçam. 

E concluímos que cada um sabe o que é melhor pra si e até hoje o que eu vi mais dar certo é quando as pessoas primeiro realizam e só depois contam pra todo mundo, na verdade elas postam nas redes sociais, que é mais fácil e prático. 

E depois mensagem maravilhosa pra você refletir sobre, de presente te deixo esse gif lindo. 

Girassóis daqui 



23/06/2018

As regras que eu não consigo seguir

Fonte


Perdi a essência de quando comecei há quase dez anos atrás, não é a primeira vez que eu vou falar sobre isso, mas tem gente que não leu, tem gente que já leu e vai ler de novo e tem eu falando tudo de novo outra vez bem redundante, mais do que nunca dessa vez. 

Quando comecei a escrever era pra desabafar, pra contar tudo o que me deixava aflita, depressiva, chorando sem parar por vários dias e escutando as mesmas músicas da Pitty, Elis Regina, Elza Soares, Nx Zero e Caetano Veloso por vários dias sem parar no último volume do rádio que tinha no meu antigo apê. 

Isso mesmo, um blog pessoal, onde eu falava apenas sobre as coisas do meu coração, da minha mente, minhas opiniões, as pessoas vinham pra cá organicamente, eu ia nos blogs alheios organicamente sem pedir nada em troca, todos falavam sobre seus sentimentos, era lindo de se ver, de ler, de comentar. 

Não tinha a mínima ideia de que eu também tinha a capacidade de ganhar dinheiro fazendo o que eu gosto e muito menos que dava pra fazer o que gosto e ainda ganhar dinheiro. Em janeiro desse ano minha mente se abriu pra essa nova fonte de renda e desde então fico vendo vários artigos pra melhorar isso e aquilo no blog, mas são inúmeros artigos que não sei nem por onde começar.

Além dessas dúvidas, tenho uma que fica martelando a minha cabeça o tempo todo:
Eu devo realmente fazer/seguir todas as regrinhas que vários blogs falam o tempo todo? 

Chega a ser bem cansativo o fato de não poder apenas escrever e as pessoas lerem o que eu escrevo, se identificarem, comentarem e ficar tudo certo que nem era antes. Eu não sabia direito nem o que era SEO* e escrevi um texto pro meu irmão e recebo várias visitas todos os dias vindas de buscas feitas no Google.

Tem dias que fico me perguntando se voltando a ter a minha essência pra escrever vou ser reconhecida por isso um dia, óbvio que eu sei que tenho que escrever mais textos, porque quem não é visto não é lembrado. E será que terei que seguir todas essas regras que todo mundo fala pra crescer realmente pra poder viver totalmente da  minha arte? 

Por enquanto ainda não tenho respostas pra nada disso, só quero fazer o que eu gosto, da forma que eu gosto, ser reconhecida e ganhar vários dinheirinhos por isso. Estou me empenhando pra voltar a escrever com mais frequência, porque isso me faz tão bem, tem vezes que eu esqueço, mas quando abro o blogger e começo a digitar me lembro direitinho o porque ainda estou na blogosfera

(Esse é um post inspirado nas postagens do blog Desancorando)

*SEO é a sigla para "Search Engine Optimization", que significa "otimização para mecanismos de busca", ou otimização de sites. SEO é o conjunto de estratégias com o objetivo de potencializar e melhorar o posicionamento de um site nas páginas de resultados naturais (orgânicos) nos sites de busca.

Para saber mais, nada melhor do que um consultor te ajudando nisso, conheça o trabalho maravilhoso do David Dias e otimize logo o seu blog/site.

11/06/2018

Eu tenho tanta coisa pra te contar

Instagram


Eu ainda estou aqui, continuo escrevendo como um desabafo enorme, quanto mais escrevo mais coisas surgem pra escrever. Na maioria das vezes no meio do dia escrevo várias coisas em diversos papeis de rascunho e levo pra casa, mas sinto uma preguiça enorme de digitar tudo aquilo pra você vim ler. O certo seria eu fazer isso, porém tô cansada de apenas fazer o certo. 

Mentalmente escrevo sobre várias coisas, assuntos e pessoas, mas depois de meia hora já esqueci tudo e fica como se nunca tivesse existido realmente mesmo que em modo abstrato. Continuo escutando as mesmas várias vezes ao dia e quando não consigo escutar por algum motivo de: estar trabalhando e não poder escutar música lá, as músicas continuam na minha cabeça e eu cantarolo mentalmente também. 

Agora, aqui sentada parei pra pensar em quantas coisas que já ouvi por querer escutar as minhas músicas em ambientes que tem mais pessoas e que não gostam do que eu escuto, mas quem liga pra opinião alheia em relação aos meus gostos? Ninguém, muito menos eu.

Nem tudo o que está acontecendo agora está sendo útil de verdade, pra ser bem sincera contigo, acho que tudo está sendo útil sim, não posso ser orgulhosa a ponto de dizer que não, porque está, sabemos que sim. 

Um dia, daqui uns anos ou meses, vou olhar pra trás e ver o quanto estou sendo forte, corajosa e audaciosa de fazer tudo o que passa pela minha mente e dar graças a Deus por não sentir mais tantas dores por causa do estresse. Torço também pra que até lá eu não tenha sofrido nada além do que já sofri antes por causa da ansiedade e do estresse. 

Muita coisa aconteceu, tenho tanto pra te contar, mas acho que com o tempo vou falando aos pouquinhos pra tua cabeça não ficar bagunçada e você não fugir de mim, de novo!

31/05/2018

Carta aberta pra MINA

@vic_toryy e @chloevero

Faz mais de um ano que não nos falamos mais, nos vimos na rua, mas os olhares se desencontraram propositalmente, preferi acreditar que foi sem querer, tanto da minha parte quanto da tua. Foram quase dez anos de amizade, cumplicidade e companheirismo. Desde a primeira vez que te vi me apaixonei por ti, pela tua pessoa e como tu via as coisas de uma maneira diferente da minha, foi amor a primeira vista, tu se tornou a minha melhor amiga. 

Eu que terminei, eu que quis assim e agora estou aqui escrevendo sobre como tu foi importante na minha vida e o quanto sinto a tua falta todos os dias nessa última semana. Não posso me iludir achando que se voltarmos a nos falar será como antes, mas não será, da primeira vez foi, pra falar bem a verdade foi melhor do que eu esperava. Voltamos fortalecidas!

Era em ti que eu podia confiar, contar em todos os momentos, na maioria do tempo que fomos melhores amigas uma da outra, infelizmente não nos mantemos iguais sempre e mudamos. Nessa mudança fomos nos perdendo uma da outra, não correspondíamos mais da mesma maneira, se dependesse de mim apenas tudo continuaria sendo recíproco e bom até hoje e daqui pra frente, sempre. 

Não sei se tu ainda se lembra, mas a nossa música era Mudaram as estações na voz da Cássia Eller, e desde a época do MSN tu sempre mandava um trecho pra mim. 

Não quero que isso se torne o muro das lamentações, nem nada parecido, mas assim como tu sabe e todos que me acompanham também, é aqui que eu escrevo tudo o que eu sinto e o que eu mais tenho sentido é a tua falta. Queria poder voltar no tempo pra ter feito algo diferente pra que nossa amizade não acabasse. 

Te amo e não é de hoje. 

Isso tudo que eu escrevi é apenas 0,01% de todas as nossas lembranças e o que eu sinto. 

14/04/2018

Parei pra pensar

Pinterest 

Parei pra pensar no quanto fui e voltei, voltei e fui, sem parar, sem dias certos, sem hora certa pra voltar realmente. Não queria ter que voltar pra onde parti inicialmente, queria ficar ali plantada que nem uma semente, criar raiz finalmente e começar algo igual, mas totalmente diferente.

[dá o play e escuta lendo]

Porém, nem tudo depende apenas da gente, é uma via de mão dupla, tem que ter reciprocidade e temos que levar em conta que a teoria é diferente da prática e a prática diferente da teoria. Não que tudo acontecesse na mais pura magia e o encantamento fosse durar, mas poderia ficar ali e apenas ir modificando - se como acontece na maioria das vezes.


02/04/2018

Pare de se anular

Foto de Sherice Major 


Hoje eu vim te falar o que falta aqui dentro do peito, o me diz respeito, sobre as coisas que eu fico sem jeito e que não cabem mais aqui dentro. Talvez esteja tudo junto no mesmo balaio e seja interpretado como defeito, não sei dizer direito, porque é muita coisa que acontece ao mesmo tempo. 

Chego a ficar perdida, sem saber pra qual lado ir, se devo ficar ou partir, pra onde seguir. Continuo perdida e não sei ainda até quando vou ficar desse jeito. Não sei!

A tática da vez e que está funcionando é viver um dia de cada vez, com calma, sem pressa e fazer sempre o que é melhor pra mim, pra parar de me anular e viver a minha própria vida. No começo é um pouco difícil, mas no decorrer do trânsito as coisas vão se ajeitando, tudo vai indo pro seu lugar e a anulação deixa de existir. 

Não acredito que anular - se seja algo que a pessoa nasça e coloque - se sozinha e sim que ela seja colocada naquela situação pela própria família, infelizmente. Conseguir sair desse quadro, dessa prisão e ir de encontro a liberdade é um processo lento e muito demorado, porque existe a parte de enxergar - se como pessoa que tem que viver a própria vida, ver que tem uma vida a ser vivida, saber que tem que ser feliz da maneira que bem entender e ir em busca de tudo isso. 

Quando essas coisas acontecem e tudo fica mais fácil de entender, é um pouco doloroso. As pessoas que te colocaram ali, como prisioneira de uma vida que você não quer viver, vão tentar te manter naquilo ali, amarrada com chantagens emocionais, e toda vez que você tentar sair e perceberem, irão te puxar de volta fazendo com que você se sinta uma pessoa ruim se tomar uma decisão diferente das que querem que você tome.

(a palavra você é escrita muitas vezes na mesma frase, no mesmo parágrafo pra ajudar na conscientização e para ficar bem claro sobre quem estamos falando: você;eu.)

Isso tudo me consome, faz com que a ansiedade grite, a insônia ultrapasse os limites, as dores surgem do nada, tomam conta de todo o meu corpo, me entupo de remédios como se não houvesse amanhã, na convicção de que vá passar logo, só que nada passa. Esse monte de remédios não me fazem bem, sabemos disso. 

A real vontade é de largar tudo, ir pra praia, ficar um tempo por lá, e ir mudando de cidade de tempos em tempos, ir conhecendo as cidades, criando conteúdos pra alimentar esse blog maravilindo que eu amo tanto e que futuramente vai me sustentar. Acredito no meu potencial e que sendo um pouco mais egoísta vou conseguir ser feliz por mais dias, em mais momentos, mesmo que longe por um tempo.

Um dia eu encho a minha mochila, deixo um bilhete e vou viver a minha vida. 
Até outro dia.

14/03/2018

Na primeira pessoa

eu mesma, na primeira pessoa | Instagram


Não posso mentir nem ironizar a situação, só posso dizer tudo o que meu coração sente quando meus olhos te avistam de longe, de perto então, é uma explosão de sentimentos, algo que nunca tinha sentido por dentro, muito menos por fora. 

Tudo isso de sentimentos chega a ser tão clichê, mas é o que sinto, não tem como fugir, apenas escrever e dizer o quão importante é pra mim. Há quem diga que é coisa de momento, mas a nossa vida não é feita de momentos? O que tenho que fazer é viver cada um deles como se fosse o último, a maioria sempre é e o que não é se torna rotina, fazendo com que eu não queira mais.

A paixão que chega no meu coração, os pensamentos que não me fazem te esquecer, todos os sentimentos que sinto quando te vejo, a minha vontade incessante de querer de te dedicar meus textos, te faz importante pra mim. Não sei quanto tempo vai durar, minha memória não ajuda pra saber quanto tempo já temos, o mais importante de tudo isso é que está durando e não quero que acabe. 

Mantenho meus pés no chão, prefiro quando eles estão junto dos teus, te vejo e fico pensando no porque de não termos nos encontrado antes, e ao mesmo tempo lembro que se foi agora é porque esse é o nosso momento. Não seria antes.

A forma como me olha, sorri, me cuida e protege, tudo isso me encanta, me mantém perto de ti. Sem rótulos, apenas declarações e olhares que dizem tudo o que não dizemos, mas ao mesmo tempo sabemos que fazemos bem um ao outro.

Tomei coragem e de uns tempos pra cá falo na primeira pessoa, antes não falava por vergonha. Ficou tudo misturado, mas é tudo isso que sinto e preciso pra viver nesse momento. 

Todo mundo diz que não podemos entregar a nossa felicidade nas mãos de alguém, mas e quando encontramos a nossa felicidade com alguém? O importante de tudo é curtir cada momento como se fosse o último, sem expectativas.

12/03/2018

Estou no modo automático

Imagem: Weheartit 


É que eu tenho andado tão devagar ultimamente, pensado menos, trabalhados mais, demais. Isso tudo é algo que eu não fazia há uns meses atrás. Pensava mais do que deveria, sentia uma agonia enorme, trabalhava na medida certa pra não cansar do jeito que estou hoje, 3 vezes mais cansada.

As coisas saíram do meu controle, não estão mais nas minhas mãos, estão além do que eu posso controlar, só estou deixando a vida me levar, de tal maneira que faça com que sobreviva todos os dias. O certo seria viver ao invés de sobreviver, mas como disse anteriormente, nada está nas minhas mãos, nada eu posso controlar.

Estou total e completamente no modo automático de viver, daquele jeito que a gente mais cansa do que tem esperança, mais dorme do que se diverte, mais fica nervosa do que gargalha por causa de coisas bobas.

A proposta de um texto tão pequeno é apenas de colocar pra fora tudo o que estou sentindo que nem fazia há quase 10 anos atrás, quando o blog começou e o real motivo dos mais de 700 posts é para falar sobre tudo o que sinto e penso.

Tem coisas que são necessárias!

O foco agora é ir atrás do descanso, da paz, do sossego, sem rotina. Eu, a internet, o blog, as músicas, o verde da grama, o azul do céu, o branco das nuvens, a natureza, o natural, nada forçado, tudo espontâneo.

E se você também está com esse foco, nessa busca, me abraça aqui, porque você não está sozinho nessa. Estamos juntos!


25/02/2018

Desromantização do não romantizado

Foto do Instagram da Tuyo | Texto inspirado nas músicas


[tem música lá no final, se você preferir pode dar o play e começar a ler ou ler primeiro e depois começar a ouvir, fica à vontade]

Ontem percebi que o que eu mais quero e preciso nesse momento não tem nada a ver com o carnal, é algo sentimental, emocional, um abraço que nunca foi dado, juras de amor que não foram ditas, transferir a carência pra fora de mim, voltar a colocar na tela de novo pra vocês lerem e me dizerem o quanto se identificam, que gostaram, que tá bonito.

Saio por aí e me identifico com vários perfis, mas nenhum consegue ler por completo as minhas linhas, virtuais e pessoais, acho que a paixão chega quando conseguir ler e sermos lidos pelo menos uns cinquenta por cento. Acho que isso se aplica ainda mais quando conseguimos prestar atenção no que ainda não foi dito e nem escrito, completar um a frase do outro é um exemplo, seja no modo literal ou figurado de tudo isso. 

Na teoria fica tudo tão bonito, tão bem escrito, encaixado, de uma maneira que dá até vontade de viver, só que na prática cada grafia é diferente, umas mais difíceis de serem entendidas, algumas tem que ser decifradas e pra acontecer isso tem um prazo nas entrelinhas, mas ninguém sabe disso, sabemos apenas quando chega ao fim. 

E aí então pensamos e repensamos o tanto que poderíamos ter feito diferente e que não era tão trabalhoso quanto achavamos, olhando de fora tudo é mais fácil, só que agora é tarde demais, a não ser que o sentimento seja maior que a vontade de desistir, assim vale tentar de novo. Não dá pra esquecer que não conseguimos obter resultado diferente com os mesmos ingredientes. Não podemos nos iludir. 

Romantizar o sofrimento faz com que ele fique "lindo", mas o que ninguém enxerga é que fica mais sofrido, remoemos mais as histórias, pessoas e situações que nos deixam assim. A melhor coisa é filtrar tudo isso. 

Se você chegou até aqui, dá o play.

11/02/2018

O fracasso me subiu a cabeça

[leia escutando a música] - fonte





Com uma pilha de livros por ler empilhados e empoeirados numa estante qualquer no meio daquele quarto bagunçado, um caderno cheio de ideias e ideais que se confundem com metas que nem lembro mais, é com isso que me deparo todos os dias ao entrar no quarto. 

Me sinto a cada dia mais perdida sem saber pra onde olhar, por onde começar, como começar, se devo começar e com o que, é tudo uma incógnita, mas que na verdade eu sei que já tem respostas. Elas estão na minha frente, nas minhas mãos, na minha cabeça, tenho que ouvir meu coração e parar de ouvir a opinião alheia, além de também parar de me comparar aos outros. 

Será essa a crise dos 25 anos? Não sei! Só sei que do jeito que está, continua a cada dia que passa mais perturbador, e me dá mais vontade de largar tudo e ir viajar, acordar, abrir a janela e ver o mar, encontrar a paz que preciso, o descanso que meu corpo e minha mente e gritam clamando. 

Nunca imaginei que minha saúde mental ia ficar desse jeito, me fazendo querer sair correndo pra ter um novo estilo de vida, cansada, exausta com tudo o que acontece, querendo socar a cara de todos ao meu redor. 

Há anos atrás quando a minha frequência de postagem era bem maior e as visitas também, fazia tudo isso aqui com o maior prazer do mundo. Sem precisar anotar ideias, sem criar imagens mirabolantes pra aparecer não sei onde, pra não sei quem me achar. Apenas abria o blogger e escrevia tudo o que estava sentindo, que nem estou fazendo agora. 

O meu maior sonho é viver da internet, é ganhar dinheiro fazendo o que eu mais gosto que é escrever. Onde eu não tenho chefe/patrão, ninguém manda em mim, não tenho que obedecer regras além das minhas. A minha maior satisfação é quando as pessoas comentam dizendo que gostam e se identificam com o que eu escrevo. Fico super feliz quando sei disso, a impressão que eu tenho é que com o post em questão a minha missão foi cumprida. 

Não posso querer fazer o que não sinto vontade pra fazer parte da massa, fazer parte de um mundo que sinto que talvez nem seja pra mim. Hoje, agora, nesse exato momento, só sinto vontade de sentar na areia, olhar pro nada e esvaziar a minha mente. Ficar sem preocupações, sem obrigações. Um ano sabático, quem sabe?!


04/02/2018

O meu primeiro post do ano!

Oi, sumida! | Foto do stories do meu Instagram


Fazia tanto tempo que eu não aparecia aqui que ate fiquei com vergonha de voltar. Um pouco de medo e covardia, nada que eu nunca tenha sentido algum dia na vida e que não volte a sentir novamente, acho que e natural. 

Por causa de vários bloqueios criativos ocasionados por estresses diários que atormentam a minha saúde física e psicológica, deixei tomar conta do meu ser de tal maneira que atrapalhou tudo em todos os âmbitos da minha vida. 

Sinto falta de escrever todos os dias, vim ler os comentários, visitar outros blogs, ou seja, fazer mais parte da blogosfera que nem já fiz um dia. A minha maior vontade e de voltar aos pouquinhos, falando sobre o que eu gosto e também o que vocês gostam.

No decorrer dos posts e suas adaptações vamos vendo como realmente as coisas vão ficar por aqui. Estou aberta a sugestões e críticas, inclusive deixe nos comentários, vai me deixar muito feliz. 

E o mais importante de tudo isso é que a inspiração voltou, o medo tá sumindo e o prazer de escrever cada linha tá crescendo mesmo depois de tanto tempo sem vim aqui, quase 4 meses.