27/09/2011

Tanto faz como tanto fez

E depois de tanto tempo que me enganei com muitas pessoas, hoje não crio laços com ninguém. No começo era um processo demorado, porque conhecia as pessoas e achava - por causa da carência - que elas nunca iriam sair da minha vida e muito menos parar de falar comigo. Mas, a vida me ensinou que as coisas são bem diferentes do que eu pensava, aliás, nem foi tanto a vida e sim as pessoas que passaram por ela. Não é lamentação e sim apenas uma constatação da evolução que eu tive com o passar dos anos. Antigamente era horrível  traumatizante, depois me acostumei com a situação e não sofri mais por causa disso. 

Te conheci agora, passo a conviver contigo durante 6 horas diariamente, mas isso não quer dizer que eu goste de ti a ponto de sentir a tua falta quando não estou contigo, não quer dizer que eu vá ser tua melhor amiga e não significa nada eu escutar os teus segredos e problemas e opinar sobre eles, afinal, tu é tão carente quanto eu. A diferença é que eu tenho uma válvula de escape e aprendi a lidar com os meus sentimentos e você ainda não encontrou o caminho para controlar o que sente e muito menos amadurecimento para saber com quem falar certos assuntos. 

Infelizmente, apesar de ter me acostumado com as idas e vindas de várias pessoas na minha vida, sei que foi para o bem que elas não permaneceram e talvez no fundo no fundo mesmo eu nem fazia questão da companhia delas. A maioria queria status, aparência e fãs, não tenho paciência para fingir ser quem não sou, não tenho paciência para usar roupas vulgares e maquiagens de palhaços e tenho personalidade o suficiente para ser quem eu sou quando, como e no lugar que quiser. 

Nasci sozinha, vivo - em termos - sozinha e morrerei sozinha, então porque que na altura do campeonato vou me importar com amizades se elas não fazem diferença pra mim?

Temos que aprender as lições que a vida nos dá toda vez que a dor é tanta que escorre pelos olhos.

21/09/2011

Um adeus ou um até logo


Infelizmente, a minha fonte secou. Faz dias que não escrevo, irão se formar semanas, meses ou até um ano sem eu ter o que escrever, apesar de estar tendo um motivo para escrever agora que é a minha ausência. Mas com certeza, não irei escrever todos os dias sobre a minha ausência até porque não vou ter mais o que escrever. Enfim, um dia eu volte. Já fiz e falei sobre isso antes e agora estou falando de novo. Nas outras vezes achei que iria ficar meses e mais dias sem dar as minhas palavras por aqui, sendo que no outro dia já estava traduzindo meus sentimentos em palavras pra vocês que me leem todos os dias, mesmo sem comentários. Aliás, isso nem importa tanto assim, o que importa é virem ler o que eu escrevo, o que eu sinto e minhas palavras modificarem vocês de alguma forma, seja por dentro ou por fora. Detalhe: um dia já me importei com isso, porque era imatura demais para entender e saber que não é porque as pessoas não comentam que elas não leem o que eu escrevo, escrevia e talvez um dia volte a escrever.


Não sei o que aconteceu direito, só sei que as minhas inspirações - sofrimento, tristeza e sentimentos negativos - sumiram há algum tempo, fico até feliz 99% e 1% infeliz por não conseguir escrever, porque foi escrevendo que comecei a me libertar do bicho do mato que vivia dentro de mim e que hoje não existe mais. Ainda bem. 
É, então é isso aí. Falei o que tinha que falar - não tenho muita certeza disso. 

Até a próxima. 
Beijos  

12/09/2011

Como lidar?


E se assim fosse possível voltar no tempo, talvez não tivesse aberto a minha boca sobre coisas que não devia e minha vida seria diferente. Não é ser mau agradecida e sim cansada de tudo o que se passa e vem se passando há mais de 10 anos. Antes, durante e depois de tanto sofrimento a única vontade é de sumir, desaparecer, seja de qualquer forma, pra qualquer lugar. De preferência onde não tenha ninguém de má fé para me repreender, reprimir, humilhar, me magoar, me fazer chorar. No momento estou aguentando, aliás, desde sempre. 


Se eu tivesse o poder, voltava no tempo pra tudo mudar ♪

08/09/2011

e depois, como vai ser?

O que me dá mais raiva é que tudo o que eu sofri ele não sofreu e nem sofrerá nem a metade. O que me dá mais raiva é que a razão nunca é minha, mesmo quando a regra é clara, que o preto é preto e o branco é branco. Ela faz com que tudo gire em torno dele todo o momento. O que me dá mais raiva é sentir tudo o que sinto e não ter com quem falar, apenas escrever e chorar. Infelizmente as minhas válvulas de escape não estão mais funcionando como antes, tenho medo de tudo acabar e eu não ter mais como desabafar ou o desabafo não ser mais suficiente para colocar tudo o que eu sinto pra fora.

03/09/2011

Um dia amigo, eu volto a te encontrar [...]

Eu queria saber o que você sente. Eu queria saber o que pensa antes de dormir, quais são os seus sonhos e mais ainda, poder fazer parte da sua realidade. Queria mudar os teus pensamentos machistas e preconceituosos sobre tudo e todos. Te fazer enxergar que a tua estrada está indo pro lado errado, você está seguindo um caminho errado que não vai te fazer bem. Porém, você é muito orgulhoso pra perceber isso e se deixar levar por quem só quer o seu bem. Enfim, quem sabe um dia as coisas se realizem, tudo seja feito do jeito que tem que ser. 

Quanto mais o tempo passa, mais eu vejo que não tenho mais o que escrever, infelizmente.