14/03/2018

Na primeira pessoa

eu mesma, na primeira pessoa | Instagram


Não posso mentir nem ironizar a situação, só posso dizer tudo o que meu coração sente quando meus olhos te avistam de longe, de perto então, é uma explosão de sentimentos, algo que nunca tinha sentido por dentro, muito menos por fora. 

Tudo isso de sentimentos chega a ser tão clichê, mas é o que sinto, não tem como fugir, apenas escrever e dizer o quão importante é pra mim. Há quem diga que é coisa de momento, mas a nossa vida não é feita de momentos? O que tenho que fazer é viver cada um deles como se fosse o último, a maioria sempre é e o que não é se torna rotina, fazendo com que eu não queira mais.

A paixão que chega no meu coração, os pensamentos que não me fazem te esquecer, todos os sentimentos que sinto quando te vejo, a minha vontade incessante de querer de te dedicar meus textos, te faz importante pra mim. Não sei quanto tempo vai durar, minha memória não ajuda pra saber quanto tempo já temos, o mais importante de tudo isso é que está durando e não quero que acabe. 

Mantenho meus pés no chão, prefiro quando eles estão junto dos teus, te vejo e fico pensando no porque de não termos nos encontrado antes, e ao mesmo tempo lembro que se foi agora é porque esse é o nosso momento. Não seria antes.

A forma como me olha, sorri, me cuida e protege, tudo isso me encanta, me mantém perto de ti. Sem rótulos, apenas declarações e olhares que dizem tudo o que não dizemos, mas ao mesmo tempo sabemos que fazemos bem um ao outro.

Tomei coragem e de uns tempos pra cá falo na primeira pessoa, antes não falava por vergonha. Ficou tudo misturado, mas é tudo isso que sinto e preciso pra viver nesse momento. 

Todo mundo diz que não podemos entregar a nossa felicidade nas mãos de alguém, mas e quando encontramos a nossa felicidade com alguém? O importante de tudo é curtir cada momento como se fosse o último, sem expectativas.

12/03/2018

Estou no modo automático

Imagem: Weheartit 


É que eu tenho andado tão devagar ultimamente, pensado menos, trabalhados mais, demais. Isso tudo é algo que eu não fazia há uns meses atrás. Pensava mais do que deveria, sentia uma agonia enorme, trabalhava na medida certa pra não cansar do jeito que estou hoje, 3 vezes mais cansada.

As coisas saíram do meu controle, não estão mais nas minhas mãos, estão além do que eu posso controlar, só estou deixando a vida me levar, de tal maneira que faça com que sobreviva todos os dias. O certo seria viver ao invés de sobreviver, mas como disse anteriormente, nada está nas minhas mãos, nada eu posso controlar.

Estou total e completamente no modo automático de viver, daquele jeito que a gente mais cansa do que tem esperança, mais dorme do que se diverte, mais fica nervosa do que gargalha por causa de coisas bobas.

A proposta de um texto tão pequeno é apenas de colocar pra fora tudo o que estou sentindo que nem fazia há quase 10 anos atrás, quando o blog começou e o real motivo dos mais de 700 posts é para falar sobre tudo o que sinto e penso.

Tem coisas que são necessárias!

O foco agora é ir atrás do descanso, da paz, do sossego, sem rotina. Eu, a internet, o blog, as músicas, o verde da grama, o azul do céu, o branco das nuvens, a natureza, o natural, nada forçado, tudo espontâneo.

E se você também está com esse foco, nessa busca, me abraça aqui, porque você não está sozinho nessa. Estamos juntos!