Não diga nada ♪

00:05

Não são reclamações e sim fatos reais.
_
Até meus sete anos posso dizer que tive uma infância bem aproveitada, cheia de mimos e paparicos, por uma pessoa que se foi para nunca mais volta e hoje faz muita falta para mim, minha avó materna. A saudade me atormenta diariamente. Aos oito ficava sozinha já. A partir dos nove a vida me deu responsabilidades que uma criança dessa idade não está pronta para arcar, cuidar de uma outra criança, que vem a ser meu irmão. Só fui conhecer o que era brincar nessa idade, mas não era sempre que poderia fazer a não ser que o levasse junto, ia mesmo assim, porém com muito sacrifício. Com o passar dos anos as 10 crianças com quem eu brincava foram tomando rumos diferentes, arrumando novos amigos, mudando de escola, tendo vidas sociais bem diferentes de mim, que nunca consegui ter uma vida social decente até o presente momento. Conheci algumas pessoas, porém essas tomaram outros caminhos bem diferentes dos meus e eu, fiquei aqui presa, sem poder me mexer do jeito que sempre quis. A Rainha (vulgo: mãe), nunca foi muito de organização doméstica, ou seja, quem faz tudo sou eu, mas também não me mato. Tá achando ruim, ela que desça do salto e faça, pois não sou empregada. Infelizmente, desanimei com o tempo, não tenho mais vontade de fazer nada, já fui até meio depressiva, tentei me matar, mas em vão, descobri que não tenho sangue frio o suficiente para fazer isso. Perdi a vontade de me relacionar com outras pessoas que não sejam as mesmas que conheço durante anos, mas não tenho muito contato, disponho-me mesmo a conquistar amigos virtuais. Apenas porque tenho a plena certeza de que não serei vitima da minha lamentável carência e no vencimento da amizade não sofrerei e muito menos derramarei lágrimas por pessoas que não merecem. Tornei-me bem distante de tudo e de todos.
Voltemos a Rainha. Quando senta em seu trono cibernético, fica cega, surda e muda, mas não se esquece de mandar, querer e exigir as coisas. E eu aqui presa, isolada, fazendo sempre as mesmas coisas todos os dias, nos mesmos horários para uma pessoa que só sabe citar e criticar os defeitos dos outros, mas não se dá o trabalho de citar as qualidades por menores que sejam elas. Ninguém gosta dessa exploração. Já me disseram pra fugir, ir pra outro lugar. Mas pra quê? Pra ficar na casa dos outros de favor, sendo que eu tenho uma casa, se é pra sair de casa só se for pra minha casa. Percebi que tudo e todos são meras fachadas, hipócritas de marca maior, parentes então nem se fala, quero distância. Meu orgulho é maior e não posso dar o braço a torcer para essa gente abominável que a única coisa que sabem fazer é desejar o pior para os outros e eu sou uma que faz parte desses outros. As esperanças estão revigoradas, não tenho nada planejado, estou vivendo um dia de cada vez, sem planos para não ficar frustrada depois como fiquei antigamente. Depositar todos os sentimentos bons que se tem a oferecer em uma pessoa não é a melhor coisa a se fazer, me machuquei muitas vezes fazendo isso, por isso prefiro não procurar ninguém, ficar aqui sozinha na frente do computador foi a melhor escolha que eu fiz na minha vida. É na frente dele que eu rio, choro, danço, converso, telefono, grito e ele me responde do jeito que eu quero, com o silêncio mais puro. Talvez um dia eu deixe o isolamento pra lá e retorne a relacionar-me com pessoas e não só com a máquina, ainda tenho sequelas das últimas frustrações, até daquelas de 5 anos atrás. As vezes me pergunto: "e se eu tivesse me dedicado mais?", "se tivesse mais coragem pra fazer?", mesmo não tendo as respostas dessas respectivas perguntas, chego a uma conclusão, se eu não tivesse feito e passado por tudo que passei não seria a Natália que sou hoje e seria apenas mais uma guria de 17 anos fútil e mimada. Os erros e acertos são meus e ninguém nada tem a ver com isso, então não venham me julgar.

You Might Also Like

11 Comentários

  1. ai que texto lindo *-* sem palavras.. beijaaao!

    ResponderExcluir
  2. OS erros e acertos nos definem como a pessoa que somos. Não que eu possa lhe dar qualquer conselho ou qualquer palavra que lhe ajude de qualquer forma a verdade é que devo me encaixar nas mimadas só que de 16 anos. Te desejo sorte e paciência, se não está tudo certo é por que ainda não acabou. No fim, tudo se acerta. beijos, Mel

    ResponderExcluir
  3. "Deixe me ser eu para que eu possa ser alguém, não evite meus erros, pois não quero seguir os seus"

    A vida ensina, nem sempre a gente aprende, mas pelo seu belo texto percebo que você aprendeu!

    Abraços!

    ResponderExcluir
  4. Bonito, sincero, cheiro de verdades nuas e cruas, e triste ao mesmo tempo.
    Triste porque quando olhamos em volta esperamos, de verdade, algo parecido aos do cinema, e nem sempre é assim. De fato, NUNCA é, mas ainda vivemos imaginando e fantasiando ser.
    A verdade, eu nem sei.
    Só sei que todos nós temos problemas, e aprendemos apenas com os erros cometidos.
    Um grande beijo e juízo =)

    ResponderExcluir
  5. Nati, que bom que você voltou mais rápido do que eu imaginava. Acho que eu entendi o seu texto como um pedido de socorro que as suas palavras estão trazendo para você. É, isso mesmo. Muitas vezes as nossas palavras dizem coisas que nem mesmo sabemos, ficamos sabendo depois que elas se aconchegaram em um papel, ou no nosso caso, no blog.

    Se cuida, qualquer coisa estou aqui.

    E não faz bem morrer pro mundo e viver apenas no mundo digital, NINGUÉM É FELIZ SOZINHO.

    :)

    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  6. OI Nati, realmente tá um texto lindo! Com certeza a nossa história determina quem somos hoje, mas não o potencial de quem podemos ser. Você se tornou uma guerreira e vai fazer por merecer todas as suas conquistas.
    Ficou muito legal o post, dá pra sentir que veio do coração!

    ResponderExcluir
  7. Vó faz uma falta né?
    Só quem não tem sabe. Eu amo muito a minha!!!
    TEAMOVÓ!!!
    Eu gosto de como tu escreve viu.. bju

    ResponderExcluir
  8. Sabe, minha vida familiar também não é das melhores. Não tenho uma vida social ativa, e só saio de casa por uma excelente razão. A vida segue. Faço o possível para um dia ter minha própria vida, livre e independente. Por mais que eu deseje a independencia, sei que de nada adianta tentar antecipá-la, tem mais chances de dar certo. Melhor eu ter meu futuro encaminhado pra ficar livre definitivamente.

    Quanto à tua vó, agradeça por ter podido conviver com ela. Eu não tive essa sorte...

    Beijoo

    ResponderExcluir
  9. vc escreve bem heiin :)
    sao fases da vida, sua avó esta cuidando de ti moça....


    bejoos

    ResponderExcluir
  10. Não sei se encaro como um desabafo ou como uma reclamação. Mas se quer mesmo saber, eu achp que você deveria mesmo tentar dar a volta por cima e tentar reestabelecer seus laçoes de afeto. São extremamente necessários à vida.

    Beijo :*

    ResponderExcluir
  11. eu também tenho vontade de fugir, principalmente por causa da minha avó que, em tudo qe eu faço, mete o dedo... isso é saco! mas, enfim, fugir só se for pra minha casa... viver de favor em casa de parentes é uma desgraça, se acham os donos da verdade!

    ResponderExcluir

Me diz o que você achou, o seu comentário é muito importante pra mim.
Obrigada!